12 de set de 2007


Quando a Semente Germina e dá Belos Frutos:

uma história encantadora!
Família Acosta e... agregados, em Goiânia!...


Em abril de 1977, dona Zia Pezeshkzad, uma bahá’í iraniana, vinda de terras longínquas, para falar do Seu Bem-Amado Bahá’u’lláh, após descer em São Paulo, juntamente com seu querido esposo Heshmatolláh e filhos, fizeram sua escolha para serem pioneiros da Fé, em Goiânia-Goiás... E assim tudo começou!...

Ao chegar nesta cidade, encontrou um casal de bahá’ís, vindos de Brasília, Sr. José Gonçalves, agora falecido, e sua esposa Sra. Oedes, e assim foi conseguindo fazer seu trabalho e chamando mais pessoas para se ingressarem na Causa de

Deus. Mas, uma história impressionante marca a Comunidade Bahá’í de Goiânia. Dona Zia na época queria dar Aulas Bahá’ís para Crianças, sem medo saiu à procura delas. Encontrou uma família moradora no Setor Bela Vista, Sr. Francisco Silvério Acosta e Sra. Maria Evódia Vilasboas Jara de Acosta, agora falecida. O casal com seis filhos receberam de Dona Zia, um convite para que deixassem seus filhos, participar de Aulas Bahá’ís para Crianças; explicou para eles que estas aulas eram para eles adquirirem virtudes e valores humanos necessários para a formação do caráter das crianças. Dona Zia muito amável e gentil convidou a Sra. Maria Evódia e Sr. Francisco Acosta, para que pudessem assistir algumas aulas e ficassem conhecendo o trabalho, eles participaram e permitiram que seus 06 filhos continuassem sendo alunos de Dona Zia. As aulas aconteciam na casa do casal bahá’í, Sr.Bernard Steer e Sra.Sally Steer, vindos da Inglaterra e Indonésia; e também na casa do casal Sr. Jimmy Sacco e Sra. Janine Sacco, vindos dos Estados Unidos.

Estas crianças foram crescendo e aprendendo a viver dentro dos ensinamentos bahá’ís. A família Acosta passou por duras provações, inclusive com a perda prematura da mãe, Sra. Maria Evódia, que faleceu ainda muito jovem, deixando os 06 filhos na responsabilidade do Sr. Francisco Acosta que viajava muito. A adolescente Eleuza Acosta; a única filha mulher ajudou seu pai a assumir o papel de mãe, e teve que, desde muito jovem demonstrar suas boas ações, aprendidas nas aulas de virtudes e valores humanos, para aplicar na vida da família. Segundo o que já me relatou Eleuza, sua família viveu durante muitos anos, dias sombrios e de amarguras, devido a provações que lhes sobrevieram, sobretudo pela falta de sua mãe. Eleuza juntamente com seu irmão Aluísio, permaneceram firmes como uma rocha e participantes de todas as atividades bahá’ís, dentro e fora da comunidade. Ela se tornou professora de Aulas Bahá’ís para Crianças, tão logo que aprendera com sua professora Dona Zia. Disse-nos que seu maior prazer era dar estas aulas; e que percorria longas distâncias de ônibus, não importava o tempo, se era sol ou chuva, ali estava ela para dar a famosa aulinha de criança, como nossas crianças adoram chamar. Até hoje Eleuza nunca parou de dar aulas bahá’ís, e disse, ser ela e sua família, tão abençoada e protegida por Deus, que nem mesmo ela consegue descrever, e que através disto Deus já ouviu suas preces e lhe respondera nos momentos de maiores dores já vividas; e com respostas inusitantes.

Mas o fato mais marcante e lindo desta história está na vida de Sr. Francisco Acosta, mesmo que ele nunca tenha se declarado bahá’í oficialmente, ele vem acompanhando de perto a vida e exemplo de seus filhos, desde aquela brilhante época, que marcaria para sempre a história da Fé Bahá’í em Goiânia. Para sua grande felicidade viu todos os seus filhos se declararem bahá’ís, desde quando completavam 15 anos de idade. Fatos estes que o fizeram hoje ser um homem abençoado, e um grande colaborador para o crescimento da Causa de Deus. A história de sua casa hoje é um fato raríssimo, porque não dizer único.Ele cumpre com as determinações da Casa Universal de Justiça, quando permitiu que fosse aberta, para que sejam realizadas ali, as Quatro Atividades Básicas, como: Reunião Devocional-, Círculo de Estudos, -Aula Bahá’í para Crianças; e Grupo de Pré-Jovens. Ainda colabora com a aquisição de materiais para as aulas de crianças há muito tempo, todas estão acontecendo semanalmente.Segundo o que ouvi algumas destas atividades acontecem no quintal debaixo de um pé de mangas.

Sempre que pode Sr. Francisco Acosta, está presente em reuniões especiais e eventos bahá’ís, onde recita orações na língua Tupi-Guarani. Dos frutos recebidos e das bênçãos alcançadas durante o percurso destes anos, são que, entre seus filhos, noras e genro; cinco deles são membros da Assembléia Espiritual Local de Goiânia e de Aparecida de Goiânia, um destes filhos e uma nora, são membros da Assembléia e do CEA, e alguns deles já foram membros do Conselho Bahá’í e delegados. Hoje, Eleuza Acosta, também é Coordenadora do Instituto em Goiânia. Dos filhos do Sr. Francisco, vários se formaram em direito; e outros estão cursando curso superior. Já tem netos declarados e os menores de 15 anos são ativos na Fé.

Veja a galeria de nomes desta família que faz parte desta história:

Sr. Francisco Silvério Acosta,
Sra.Maria Evódia Vilasboas Jara de Acosta (falecida)
Sra.Eleuza Gurgel Acosta (membro da Assembléia Espiritual Local de Goiânia e Instituto)
Sr. Aluísio Gurgel Acosta (membro da Assembléia Espiritual Local de Goiânia e Comitê de Ensino de Área)
Sr. Ferdinando Gurgel Acosta (membro Assembléia Espiritual Local de Aparecida Goiânia)
Sr. Lucindo Gurgel Acosta
Sr. Ruberval Gurgel Acosta
Sr. Elison Gurgel Acosta
Sr. Dalmo Nascimento (Genro e membro da Assembléia Espiritual Local de Goiânia)
Sra. Lucélia Maria Coelho (Nora e membro da Assembléia Espiritual Local de Goiânia e do Comitê de Ensino de Área)
Sra. Márcia Acosta.(Nora e Mbro da Assembléia Espiritual Local de Goiânia)

Francisco Silvério Acosta é um dos tesouros que Bahá’u’lláh, através de Suas palavras predisse que Deus levantaria na Terra para lhe auxiliar em Sua Causa. “Muito em breve Deus levantará os tesouros da Terra - homens que te auxiliarão por meio de Ti Mesmo e de Teu Nome, com que Deus revigorou os corações daqueles que O reconheceram”. Bahá’u’lláh Esta história marcará a história da Fé Bahá’í em Goiânia, comprovando assim, a eficácia que geram as Aulas Bahá’ís para crianças. Creio que centenas de histórias como esta, estão presentes nas comunidades bahá’ís de todo o mundo bahá’í. Mostrando que, como a Casa Universal de Justiça declara:

“As crianças são o tesouro mais precioso que uma comunidade possui”.


Escrito por: Catarina Cavalcante de Jesus em 10/09/07
- Comunidade Bahá’í de Goiânia

"A terra é um só país e os seres humanos seus cidadãos"
-Bahá'u'lláh-

Nenhum comentário: