15 de fev de 2008


A direção geral do Hospital de Urgências de Goiânia, abriu no dia 14/02/08, um espaço dentro do hospital para receber as doações que vierem da Campanha S. O.S Hospital de Urgências de Goiânia.Solidariedade e Humanização pelo HUGO, que foi iniciada no último dia 11/02 e irá até dia 11/03/08.
As doações poderão ser entregues na sala do Voluntariado, das 07:00 às 20:00 h, todos os dias; independente de quantidade dos itens solicitados na campanha.
A intenção agora é de transformar a iniciativa em um projeto permanente dentro do Hugo. O projeto poderá ser batizado de "PROJETO AJUDE A SALVAR UMA VIDA". Como modelo a exemplo do que acontece em hospitais públicos de São Paulo,pretende-se através deste trabalho, conseguir-se empresas e pessoas físicas que adote a idéia, para que o Hospital de Urgências de Goiânia, se torne um referencial tanto em tratamentos como em qualidade e humanização.

Em um diálogo via telefone, com Catarina, o diretor do hospital Dr. Luciano Leão, disse que a Sra. Valéria Loyola, Coordenadora Geral do Grupo de Voluntariado, entraria em contato com ela, para que fizessem uma parceria neste trabalho da campanha, oferecendo um local dentro do hospital para recebimento das doações, disponibilizando também um carro para buscar as doações caso fosse necessário.

Em conversa hoje com a Sra. Valéria, ela disse estar muito contente com esta iniciativa, pois há uma grande necessidade deste tipo de trabalho dentro do hospital; e propôs também fazer um grande esforço para que o trabalho dure não somente trinta dias, mas seja um trabalho permanente

Os telefones para informação da campanha é:(62) 84474270
O telefone do hospital para as entregas das doações é: (62) 3201-44-39
Entregas das doações na Sala do Voluntariado.
Hospital de Urgências de Goiânia(HUGO)

Veja a seguir:


Relatos de idéias que deram certo em hospitais de São Paulo, pode dar certo aqui em Goiânia! ADOTE ESTA IDÉIA!


Multiplicam-se as iniciativas em benefício dos pacientes dentro dos hospitais públicos e particulares, que desenvolvem programas de voluntariado.


A importância do trabalho voluntariado.

Com o crescimento da consciencia de que a responsabilidade quanto as demandas sociais não é mais única e exclusivamente uma obrigação do Estado, fortalecendo o conceito de que cada um de nós pode colaborar com a melhoria da qualidade de vida das comunidades, multiplicam-se iniciativas privadas com fins públicos, através de parcerias entre a sociedade civil, mercado e o próprio Estado , o chamado Terceiro Setor.O voluntário é uma pessoa solidária , disposta a doar parte de seu tempo e de seu talento, e quando sua ação se dá no interior de uma instituição de saúde, essa contribuição deve estar bem articulada e em total acordo com as necessidades e procedimentos da entidade que o recebe.

Uma idéia que deu certo

O Centro de Voluntariado de São Paulo (CVSP) foi fundado em 1997, por um grupo de pessoas de diferentes segmentos da sociedade e por participantes de diversas organizações sociais, que, motivados pela crescente demanda de iniciativas da sociedade civil e da responsabilidade social, tinham como objetivo fortalecer a ação voluntária no Brasil. A missão do CVSP é incentivar e consalidar a cultura e o trabalho voluntário na cidade de São Paulo, além de promover a educação para o exercício consciente da solidariedade e da cidadania.

O trabalho voluntário hoje é exercido de forma mais comprometida e enganjada que no passado. Assim como os voluntários procuram se capacitar para o desempenho das funções, organizações se preparam para melhor recebê-los. A sociedade só tem a ganhar com isto.

Os voluntários podem contribuir no dia - a- dia dos hospitais, usando seus talentos para desenvolver novas atividades ou melhorar as já existentes. Por exemplo: recreacionista/recepção e acompanhamento/grupos de apoio/ grupos de canto e música/apoio adminestrativo/organização de eventos:Dia do Médico. Dia das Crianças, natal, etc./brinquedoteca/ cantinho da beleza/cantinho da paz/oficina de artesanato/ palestras de orientação/contadores de histórias/visitas ao leito/ manutenção/captação de recursos /bazares/carrinho do chá/biblioteca circulante-carrinho de leitura/ reforço escolar/distribuição de kits de higiene/distribuição d elanches pós coleta de sangue/ escrevedores de cartas/capelanias e pastorais.

Os voluntários são imprescindíveis no trabalho de humanização de um hospital.Eles contribuem no atendimento , atenção e acompanhamento dos pacientes facilitando, assim, o trabalho da equipe.Cada um de nós deve fazer a "noossa parte" na sociedade e não apenas o governo ou as empresas.Mas deve haver também, responsabilidade social por parte de quem recebe o trabalho voluntário. Tudo deve ser um troca. A Rede Voluntária, assim como qualquer outro departamento, deve seguir regras e padrões de conduta conforme os estatutos e a orientação da diretoria executiva.

Há uma relação de cumplicidade, amor e troca de coragem e energia. Os pacientes se envolvem com os voluntários aceitando "os serviços" prestados por esses colaboradores e trocando experiencias.

O Hospital Santa Marcelina ( SP), criou há quatro anos, o "Projeto Adote umLeito", que é uma ação de responsabilidade social na área da saúde, que destina-se ao complemento do custeio das internações, tratamento e procedimentos realizados no complexo hospitalar, que não são remuneradas adequadadmente pelo Sistema Único de Saúde. è uma alternativa lançada pelo hospital para atender o atendimento de qualidade à comunidade carente. A ação inovadora, conquistou a sociedade e o complexo hospitalar, que conta com a parceria de várias empresas e pessoas físicas. Atualmente, 20 empresas colaboram com o projeto, além de pessoas físicas.

Todos os hospitais deveriam ter uma equipe de voluntários para ajudar no atendimento dos pacientes e também no trabalho junto às equipes médicas. Os voluntários"somam" no trabalho do hospital.

Resumo de matéria retirada da REVISTA HOSPITAIS/ Ano lV nº 19 Maio/Junho de 2006
Matéria: Mesa Redonda, em entrevista com as diretoras:
-Do Centro de Voluntariado de São Paulo(CVSP) Sra. Maria Lúcia Meirelles Reis,
-Hospital do câncer, A.C Camargo-São Paulo-SP. Sra Liana de Morais,
- Diretora- Presidente do Hospital Santa Marcelina. Irmã Rosane Ghedin.



Projeto voluntário ajuda na distribuição de material para hospitais públicos

Aline Bravim
Da Agência Brasil


Brasília - Nem todo o material distribuído pelo governo federal aos hospitais públicos do país é suficiente para a demanda. As secretarias estaduais de Saúde são responsáveis pelo repasse desse material, que inclui lençóis, roupa de funcionários, protetores de pés, entre outros.


De acordo com o sub-secretário de Saúde do Distrito Federal, Ornel Costa de Azevedo, problemas com licitações, demora na entrega dos utensílios e falta de recursos financeiros estão entre as causas para a insuficiência de material nos hospitais, que têm demandas diferentes, variando de acordo com o tamanho da unidade e com a quantidade de pessoas que atende.

Na tentativa de amenizar esse problema, o projeto Mãos que Ajudam foi criado em 2003 por voluntários liderados por Eva Ferraz Fontes, com a participação dos freqüentadores da igreja Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. No ano passado, segundo a criadora e coordenadora do projeto, voluntários de todo o país adotaram a iniciativa, a fim de ajudar os hospitais de suas cidades.


"Devemos ter 60 mil voluntários no Brasil todo. Eles confeccionam cerca de 190 mil peças – roupas, lençóis, aventais e outras peças – por mês para todos os hospitais", informou Eva Fontes, em entrevista ao programa Cotidiano, da Rádio Nacional. "Todos nós fazemos parte do governo, somos membros de uma sociedade. Não podemos esperar que o governo faça tudo sozinho. A comunidade tem que se mobilizar", acrescentou.


No dia 1º, em Brasília, um mutirão – incluindo homens, mulheres e crianças – foi responsável pelo conserto de mais de 3 mil peças para três hospitais da capital. A iniciativa havia sido foi colocada em prática, pela primeira vez, no Hospital Regional da Asa Norte.


O sub-secretário Ornel Azevedo explicou que a administração de cada hospital é responsável pelo controle de seus acessórios. À medida que eles vão se esgotando, a instituição deve pedir à Secretaria de Saúde para repor o que for preciso. Feito o pedido, cabe à Secretaria o repasse do material.


Ele lembrou, no entanto, que empresas privadas fornecem material para as Secretarias de Saúde e que em geral há demora na entrega. "Quando o fornecedor demora a nos entregar o material, ele recebe multa emitida pela própria Secretaria. Com o tempo, essa multa aumenta", explicou.


Segundo Eva Fontes, "qualquer pessoa pode ser voluntária do projeto ou adotar a iniciativa em sua cidade".


FONTE: AGÊNCIA BRASIL /RADIOBRAS

Atenciosamente,


"A terra é um só país e os seres humanos seus cidadãos"
-Bahá'u'lláh-

Nenhum comentário: